quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

***

As paredes ao redor
desnudam meu olhar
que se detém
na porta entreaberta.

Nenhum rumor me acompanha
embora te espere por notícias
que me chegam pelo ruído
de passos perdidos na memória.

Pedaços de lembranças
se costuram nas possibilidades
de um dia que se constrói
sem nenhuma novidade.

20/01/2010

Um comentário:

  1. Muito bom, Jorge, continue poetando muito. É assim que se-faz pra chegar aonde você quer estar: longe do lugar-comum.

    ResponderExcluir